nav-left cat-right
cat-right

A volta por cima do concreto

Em casa super premiada, localizada em Parati, o arquiteto Márcio Kogan utilizou um de seus materiais prediletos: concreto aparente na fachada e nos interiores!

Em casa super premiada, localizada em Parati, o arquiteto Márcio Kogan utilizou um de seus materiais prediletos: concreto aparente na fachada e nos interiores!

Uma coisa é certa na atualidade que vivemos: o concreto, o cimento, e os “cinzas” de um modo geral deram um banho no revestimento externo e interno de casas e apartamentos. De um material visto como “de segunda” para revestir paredes internas e de fachadas, além de pisos, foi alçado à categoria charmosa de “estilo urbano”. Até quando “parece” ser madeira ou pedra, na verdade é ele, “travestido” de algo diferente de sua natureza.

Em belíssimo living na mostra Morar Mais do ano passado, Danielle Sabino utilizou-se do revestimento cimentício "Steno Sedimentare" da Passeio Revestimentos na parede principal. Clique para ver maior.

Em belíssimo living na mostra Morar Mais do ano passado, Danielle Sabino utilizou-se do revestimento cimentício “Steno Sedimentare” da Passeio Revestimentos na parede principal. Clique para ver maior.

No passado, pintura, mármores, pastilhas e fulget – um preparado de agregados minerais aplicados com jato, difícil de ser encontrado por quem procurava por serviços de arquitetura no Rio de Janeiro – ou em qualquer outro estado – eram quase um “lugar comum” na fachada da maior parte das construções. Hoje, o leque de opções para este lugar específico aumentou bastante, mas um dos produtos que mais se destacam no dia a dia das obras é o concreto e os “cimentícios” de um modo geral.

Toda a beleza de um piso cimentício da Solarium - notem o tom diferente do material.

Toda a beleza de um piso cimentício da Solarium – notem o tom diferente do material.

Desta forma, podemos encontrar tanto revestimentos que ficam ao tempo ou em áreas molhadas com cara de madeira – e “alma” de concreto – ou vigas, pilares e outros elementos arquitetônicos nos interiores sem qualquer coisa por cima, deixando à vista a beleza do cinza com aqueles “furinhos”, super característicos do material. As possibilidades aumentaram e muito com a nova onda, e eu gosto muito de ver pisos que anteriormente seriam complicados de ficarem “nos trinques” (pela dificuldade de se fazer um cimentado liso, perfeito), com belíssimos acabamentos cimentícios. E não apenas na cor natural: pigmentos têm sido incluídos no preparo das peças pré-moldadas para que tonalidades antes “inconcebíveis” se tornem naturalmente utilizadas.

A beleza de "Strati", da catarinense "Palazzo": efeitos 3D obtidos simplesmente com formas. Clique para ver maior.

A beleza de “Strati”, da catarinense “Palazzo”: efeitos 3D obtidos simplesmente com formas. Clique para ver maior.

Nas imagens deste post você pode ver inúmeras aplicações de cimentícios, inclusive alguns com relevos diversos: esta é outra vertente das mais fortes no fabrico das peças com o material. Criar um número, uma letra, uma logo, era coisa comum no passado. Hoje em dia, de desenhos que parecem pinturas às formas que carregam referências fortíssimas, praticamente tudo é possível com o material. Mais barato, de melhor aproveitamento, maior resistência e ainda belo, o que mais se pode desejar de um material? Ponto para o concreto!

Este é um post patrocinado

Related Posts with Thumbnails

Deixe um Comentário