nav-left cat-right
cat-right

Mostra Artefacto Decor + Cinema no Rio – parte I

A beleza do sofá clássico no quarto de “Meia Noite em Paris“…

Já mostrei aqui a mostra Artefacto do ano na loja da grife da (rua) Haddock Lobo em São Paulo. Pois agora (agora? Faz mais de dois meses…  ) ***1 ela aportou no Rio com todo seu encanto em magia na loja do Casashopping para mostrar aos cariocas toda a sintonia entre a magia e o entretenimento proporcionados pelo cinema, que levou os profissionais cariocas a se inspirarem a criar ambientes baseados nas nuances estéticas e na energia atemporal da sétima arte. São 18 ambientes trabalhados por 26 profissionais já na vigésima edição do evento, onde foram homenageados títulos, temas, personagens, diretores, histórias ou cenas antológicas, com ambientes criativos que relembraram momentos inesquecíveis dos longas-metragens e sua influência em toda parte. Vamos ver hoje apenas uma parte desse mosaico de inspirações e no próximo post, terminamos a maratona. 

Muitos crus, divisória em cobogó e painel de azulejos na suíte inspirada em “Flores Raras” que conta a vida de Lota de Macedo Soares, arquiteta autodidata criadora do Aterro do Flamengo no Rio. Clique para ver maior.

Alexandre Cardim destacou o recente sucesso “Flores Raras” do diretor Bruno Barreto, que conta a história da arquiteta, paisagista – e muito mais – totalmente autodidata, Lota de Macedo Soares, e sua relação com a escritora e poetisa norte americana Elizabeth Bishop, que vem viver no Brasil nos anos 50, quando Lota é encarregada pelo governador do Rio, Carlos Lacerda, a criar nada menos que o Aterro do Flamengo. A Casa Samambaia, refúgio na serra fluminense de Lota foi sua inspiração maior: em um espaço de 150 metros quadrados, com sala de jantar, estar, quarto de casal e banheiros que remetem aos anos 50, as cores branco, azul, cinza e tons de madeira dão o toque sofisticado e direcionam a atenção para os móveis e obras de arte de Tarsila do Amaral, Maria Leontina, Alfredo Volpi e Burle Marx, todos presentes no dia a dia de Lota. Claro que o paisagismo e a referência ao trabalho da personalidade não poderiam ficar de fora. No projeto há paredes em cobogó geométrico e pedras, janela do teto ao chão, papel de parede com estampa de folhas e sofás redondos, que remetem à sua obra principal, o Aterro.

O clima sempre ‘chic‘ da Paris atual e da dos anos 20, para onde se transporta o personagem principal do filme de 2011 do diretor Woody Allen, “Meia Noite em Paris“. Clique para ver maior.

Meia-noite em Paris” de Woody Allen foi a base para Aline Celles e Bethânia D’Elia desenvolverem seu espaço. Projeto com estilo clássico e contemporâneo é a marca da dupla. E nada mais clássico do que a cidade luz, seus cafés e a época retratada no filme – pelo menos a volta ao tempo por que passa o personagem principal. Por isso, a inspiração principal para o quarto de 50 metros quadrados foi o filme. Aline e Bethânia apostaram no mix de materiais, texturas e acabamentos para criarem um ambiente delicado e sofisticado com predominância das cores preto, branco, rosa, dourado e bordô. Nas paredes, molduras douradas e boiserie, que aparece como um recurso decorativo fazendo referência, mais uma vez, ao estilo da época áurea revisitada no filme, assim como o espaço office, pensado no personagem principal, que é um escritor. A iluminação em linha reta é quebrada pela elegância e pelo volume do lustre de cristal, tão característico de vários locais em Paris.

Elegante e despojado, o ambiente de Babi Teixeira sintetizou no que seria na atualidade o clima do filme que arrebatou corações em 2003: “Sob o sol da Toscana“. Clique para ver maior.

Sob o Sol da Toscana“, da diretora Audrey Wells, com Diane Lane estrelando, é um filme despretensioso e tem a atmosfera perfeita para inspirar o projeto da arquiteta Babi Teixeira. Em apenas 31 metros quadrados o ambiente é marcado pelo uso de materiais naturais criando um clima leve e aconchegante. Linho e palha, aliados às cores branco, bege e terra, fazem referência à estética do filme. Assim como a parede com textura acinzentada e o aparador de pedra, material que aparece muito na região da Toscana. Completam o espaço muitos livros – uma vez que a protagonista do filme é uma escritora – e pendentes desenhados por Luciana Martins especialmente para o projeto.

A elegância suave do mobiliário da linha Beach & Country facilitou a ambientação de Carmen Mouro que se inspirou nos cenários de “A single man” para criar seu espaço. Clique para ver maior.

E para assinar o ambiente externo da Artefacto Rio, a arquiteta e paisagista Carmen Mouro se inspirou no filme “A Single Man“, do estilista ‘dublê’ de diretor de cinema Tom Ford – no Brasil, circulou com o título de “O direito de amar“, contando com Colin Firth e Julianne Moore no elenco. Com 110 metros quadrados de muito bom gosto, a profissional utilizou os móveis da linha Beach & Country já que eles poderiam facilmente ter participado dos cenários do filme: bastante atemporais e de conceito moderno. O projeto faz o uso de materiais neutros como cimento queimado, pedras e luminárias, além de uma iluminação exclusiva para valorizar os móveis e a arquitetura do espaço. Linhas retas e cores metalizadas fazem referência à fotografia do filme. Tapetes, bananeiras naturais com flores e paredes verdes com jardins verticais dão charme e versatilidade ao ambiente, que traz ainda esculturas assinadas por Cassio Lazaro.

A sofisticada sala de jantar de Jackie Kennedy, mulher, personagem e mito. Clique para ver maior.

Como seria um loft preparado para a ex-primeira dama americana Jacqueline Kennedy? A partir dessa pergunta Claudia Pimenta e Patricia Franco criaram um ambiente de 129 metros quadrados que reproduz toda a elegância e o glamour eterno da mulher e da personagem retratada no filme “Jackie“, de Pablo Larrain, onde Natalie Portman revive uma das personalidades mais comentadas de todos os tempos. O espaço traz móveis clássicos como poltronas, chaises e sofás arredondados, estofados em linho e couro com pés palito e/ou em cromado dourado. Galhos secos de jabuticabeira ornados com flores brancas – que evocam a feminilidade, que também caracteriza a área de dormir. As cores sóbrias e elegantes nos papéis de parede trazem delicadas estampas e texturas que ressaltam a atmosfera de elegância. O grande painel iluminado, que cobre toda a parede atrás do sofá principal prende a atenção quem entra no espaço e evoca um tanto do mundo de conto de fadas em que ela viveu. O trabalho assinado pela artista Christina Sá, simula um bordado de bolinhas de gude em diversas cores e tamanhos, feito com tule e linha de algodão encerada, lembra aos clássicos cordões de pérolas usados por Jackie Kennedy. Tudo para despertar a emoção de homens e – principalmente – de mulheres que sempre fantasiaram o mito.

O elegante bar que Duda Porto concebeu a partir de “A Origem“, um dos melhores filmes de ficção científica dos últimos tempos. Clique para ver maior.

A fotografia do filme “A Origem“, do diretor Christopher Nolan, e a temática dos sonhos foram as inspirações do arquiteto Duda Porto para criar um espaço atemporal e multifuncional em tons de cinza. São 99 metros quadrados, distribuídos entre sala de estar com bar, sala de jantar e lavabo, com poucas cores que vêm apenas dos raros objetos, como quadros e adornos de madeira, vidro e couro. Móveis ortogonais fazem referência ao filme, como a mesa de centro “Fold e Star“, bem como as nuances Art Decô do ambiente. É tudo bem seco e frio, como manda o figurino do filme, que envolve reviravoltas fantásticas, desertos e paisagens desoladas.

Tensão psicológica e um certo charme do suspense de “Os homens que não amavam as mulheres” estão presentes no ambiente de Fábio Bouillet e Rodrigo Jorge. Clique para ver maior.

Um filme denso e violento, um verdadeiro ‘thriller‘ de suspense, “Os homens que não amavam as mulheres“, do diretor David Fincher, inspirou dois jovens e alegres arquitetos, Fábio Bouillet e Rodrigo Jorge, a criar um ambiente onde o branco e as janelas fossem predominantes. O living com sala de jantar de apenas 33 metros quadrados saiu de apenas uma cena deste complicado filme: uma sala de seu cenário. O branco total nas paredes e no chão é suavizado por um tapete cinza de trama e dá destaque para as duas chaises do ambiente. A escolha das cores e a disposição dos móveis são as características que marcam a relação com o filme. Arrepiante e realmente profundo. Para quem curte um enigma, perfeito.
Nota: o filme é de origem sueca seu roteiro faz parte de uma trilogia de livros, mas apenas o primeiro foi adaptado por Hollywood.

Toques de brasilidade absolutamente discreta no ambiente de Luiz Fernando Grabowsky que usou muitos neutros para que a as cores fortes não estourassem a paleta de cores, hoje muito menos ufanista. Clique para ver maior.

A partir do tecido “Mico Leão Folhagens” da coleção “Mata Atlântica“, da Artefacto, Luiz Fernando Grabowsky idealizou um espaço tropical inspirado no documentário “Banana is my business“, sobre Carmem Miranda. O projeto foi desenvolvido em 90 metros quadrados e é um verdadeiro apartamento com um grande living com área de estar e TV, sala de jantar e um quarto integrado. A funcionalidade dos ambientes foi explorada ao máximo sempre fazendo referências ao filme através da paleta cores e de objetos marcantes que garantem personalidade e um ar muito tropical. A paleta de verde, cinza, preto e branco predomina no espaço, que, claro, tem também o amarelo presente nos quadros, adornos e nas bananas, que fazem parte da decoração. Representações da fauna e da flora nacional então entre os destaques junto com a mesa de jantar em vidro verde.

A parede de seixos pretos é um toque a mais de bom gosto no estar do loft inspirado na comédia romântica “Simplesmente Acontece“, de 2015, composto por Patricia Netto para a mostra. Clique para ver maior.

Os encontros e desencontros do filme “Simplesmente Acontece“, de Christian Ditter, inspiraram a arquiteta Patricia Netto a criar um ambiente versátil com 78 metros quadrados. O loft tem um jeito masculino de ser, com paredes em tons de cinza e preto, que valoriza o quarto de dormir e a sala de estar. O couro natural da cabeceira da cama aparece também no sofá ao lado e uma poltrona de leitura divide os ambientes. O espaço conta com uma estação de trabalho e um balanço verde bandeira que traz leveza ao projeto. O destaque é um pergolado de madeira em ‘U’ que possui múltiplas funções. Além da iluminação indireta nas paredes e no teto, feita com fitas de LED, ele também possui uma adega com suporte em aço-inox para as garrafas de vinho e jardim vertical com samambaias. Muito conforto e beleza, mais para um homem solteiro.

Por hoje é só, mas tem tantas emoções – e belos espaços, é claro – pra gente ver ainda… 

***1 Sim, a mostra foi inaugurada no dia 18 de março mas eu só consegui postá-la agora por aqui pois realmente estive enrolada com a Expo Revestir. Claro que cada coisa tem sua prioridade e élan  (‘atração’, para os mais novos  ), e fica complicado escolher o quê vai antes do quê. Mas enfim, creio que, para quem não foi, uma mostra anual, está de bom tamanho chamar atenção agora, e você que está no Rio, se anime para ir ver de perto, ora!  Eu, por exemplo, ainda não fui! 

Clique aqui para ver a parte II deste post.

Related Posts with Thumbnails

Deixe um Comentário