nav-left cat-right
cat-right

Nova coleção de papeis de parede Armani Casa

Um dos padrões mais especiais da coleção, “Versailles” tem um tom verde e um tom de beige que ficam elegantes e muito bonitos, como neste quarto.

Lançada em 2014 a coleção de papeis de parede Armani Casa foi e é um sucesso. Só a divulgação é que ficou pela Europa mesmo.  Apesar de haver redes de venda internacionais, incluindo também nosso país, creio que o foco foi, inicialmente, apenas o continente europeu e talvez os Estados Unidos – nem isso posso afirmar, pois o que chega com destaque na América do Norte chega aqui também, normalmente. O fato é que a “máquina Armani de divulgação” não se preocupou – ou não se ocupou muito – com essa linha de produtos e só agora, anos depois, tive acesso, com facilidade via site da própria empresa, ao primeiro e raro catálogo completo (que mais parece um folheto) da coleção. E ele me dá a forte impressão de ser apenas parte de algo maior, de não ser efetivamente um todo completo, ainda tem essa… 

Na ‘poderosa’ Giorgio Armani boutique, que fica na não menos famosa ‘via Montenapoleone‘ em Milão, o belíssimo “Nabucco” reveste todas as paredes da igualmente ‘poderosa’ escada helicoidal da casa. Clique para ver maior.

Enfim, como estive durante muito tempo atrás disto para mostrar aqui e agora vejo algo realmente “sólido”, resolvi publicar. E o que vi é realmente maravilhoso. São quatro linhas de produtos, cada uma mais bela que a outra: “Precious Fibers 1 e 2” (fibras preciosas), “Refined Structures 1” (estruturas refinadas) e “Graphic Elements 1” (elementos gráficos) que têm de abstratos maravilhosos a figurativos que parecem tapeçaria e vão muito bem de estares, quartos, bibliotecas a lavabos de alto luxo. Os tons são variados, mas são mais fechados e neutros que coloridos abertos, bem mesmo ao estilo Armani ou ao ‘Lifestyle Armani’. Vamos dar uma olhadinha… 

Toda a beleza de “Nabucco” que está disponível em quatro lindos tons encantadores.

Começando com “Precious Fibers 1“, o primeiro padrão que choca e que resume bem a coleção é o maravilhoso “Nabucco“: choca encantando por sua beleza, claro, que pode ser interpretada desde um similar de tecido maravilhoso como de uma pedra preciosa. Nuances sempre vão ser discutidas e a superfície e os tons são magníficos e, dependendo em que escala forem aplicados – numa parede de uma sala ou num enorme hall de uma escada como o catálogo sugere – você vai imaginar que se trata de um ou outro material. O catálogo esclarece que o design é baseado na pedra Ônix, mas como o papel é feito em seda, ainda fico com a interpretação (possível) do tecido.

Aída“: um luxo para pouquíssimos. Repetição em 348 centímetros. Praticamente um painel.

Em seguida vem ‘Aída‘ da mesma linha, que simplesmente é um padrão tropical com palmeiras de Honolulu ‘ma non troppo‘: ou seja, é um lindo desenho de palmas, mas as cores são tão discretas que você não vai se sentir na praia ou em Miami, de forma alguma. Eu diria até que é uma ‘praia sisuda’, austera, super Armani, e que portanto é de um luxo que não é para ser usado em qualquer casa de praia ou apartamento à beira mar. De minha parte estudaria muito bem o lugar onde aplicar um revestimento deste. São três tons super lindos e bem difíceis de serem “largados” como um item meramente tropical. E para completar, é um papel feito em 100% seda… olha o que é ser designer de interiores! 

Ultra discretas, as conchas de ‘Oberon‘ estão nas paredes deste quarto. Clique para ver maior.

E eu destacaria agora ‘Oberon‘, com suas lindas e belas conchas que lembram o Art Decó em cheio! É o mesmo desenho de um tecido da linha Armani Casa, em três lindos tons que ficam muito bem em diversas situações – uma linha mais fácil de usar que anterior, portanto, viu?  É bem discreto e pode ser usado em vários ambientes.

Com mais linhas horizontais, ‘Nabucco‘ em “Precious Fibers 2” tem onze tonalidades diferentes. Clique para ver maior.

Indo para “Precious Fibers 2“, volta-se a “Nabucco“, que agora aparece com nada menos que ONZE tons diferentes e alguns bem ousados – o lilás e o azul devem ser fantásticos!  O brilho leve do lurex que se mistura à seda fica bem especial e há mais linhas na horizontal, tornando-o mais ‘riscado’ ou “com mais veios”. Fico só imaginando a beleza que deve ser “ao vivo e a cores” em determinados espaços, com a iluminação certa, ou deixando um facho de luz solar entrar. O próprio catálogo dá a dica de usar acabamentos metálicos nas quinas e rodapés o que deve “enriquecer” o ambiente… 

Um destaque: “Iolanta“. Clique para ver maior.

A próxima maravilha é “Iolanta“, que na verdade parece um quadro – a repetição acontece a cada 348 centímetros, ou seja, quase 4 metros de largura, imagine!  . Trata-se na verdade de um Trompe L´Oeil lindíssimo, muito delicado e muito suave, com traços de uma floresta, mas tem dois tons disponíveis: além do verde, algo meio para o ocre, como um ressecado. É na verdade um painel, não um papel de parede, e fica belíssimo (e diferente) se emoldurado, por exemplo. Também mistura seda com lurex, tendo brilhos em lugares inesperados.

No biombo ao fundo, aplicação de “Lohengrin“.

Lohengrin” me lembra um bambu, ou as paletas de uma persiana vertical, como se fosse uma fotografia macro. Ou pode ser encarado como uma textura de efeito plissado de um tecido. É diferente e pode ser usado como um complemento a outros papeis, ou um revestimento da parte inferior de uma meia parede. Também fica ótimo como revestimento de peças isoladas.

Madeleine” na parede de uma sala de refeições. Clique para ver maior.

Chegando em “Refined Structures 1” destaco “Madeleine“, com suas delicadas folhas bem suaves, quase imperceptíveis, e cinco tons muito interessantes, entre eles o vermelho vivo. Trata-se de um vinílico de excelente qualidade apropriado a muitos espaços.

Montmartre” em tom champagne na parede de fundo da sala de banho. Clique para ver maior.

Montmartre” tem a superfície feita com quadrados discretos e seis tons muito belos, mais para os sisudos cinzas, ocres e vinho. Parece galuchat visto de perto e é absolutamente lindo. É um super xadrez mas você nunca vai dizer que é isso pois ele “disfarça” bem esta “condição” por ser muito sofisticado.

Versailles‘ em um quarto, em tom beige. Clique para ver maior.

Versailles” é inspirado nas sombras dos carvalhos com um efeito de afresco. É o mesmo padrão do tecido “Edmonton” da linha Armani Casa e tem apenas dois tons ultra chiques que vão bem em espaços idem.

Lindo e em tom de roxo, “Towada Metallized“.

Em “Graphic Elements 1” primeiro destaco o padrão “Towada Metallized“: inspirado em um design japonês muito interessante, com desenhos micro e macro, e também num tecido da linha Armani Casa, são quatro ótimos tons fortes que misturam fios metálicos e fios de tecido não tecido num delicado resultado muito moderno. Apropriado a restaurantes, ambientes mais extravagantes e até a casas noturnas.

A beleza de “Fuji” em um pequeno escritório.

Fuji” é um belíssimo padrão abstrato baseado em um jardim japonês na primavera, com cerejeiras entremeadas por uma arquitetura rigorosa, mesclando a dicotomia ocidente versus oriente. São apenas dois meios tons, um mais claro, outro mais escuro. Os fios utilizados também misturam metálicos com fios de tecido não tecido e têm ainda um laminado metálico, o que resulta em um efeito perolado dos mais belos. Pode ser usado com sucesso em várias situações.

Java” em seus lindos tons.

Em “Java” o mini xadrez é reinterpretado em três belas tonalidades utilizando uma onda geométrica de efeito tridimensional. Feito com fios de tecido não tecido com um laminado metálico que resulta em um efeito perolado, vai bem em lugares onde discrição e sobriedade são a tônica, mas com um toque de brilho que surpreende.

Sagano“: o bambuzinho sofisticado e elegante.

Sagano” é o puro bambuzinho “domesticado”, ou seja, em linhas bem afinadinhas como se o bambu natural pudesse ser arrumado desta forma. Com três tonalidades que se aproximam do cinza, me leva a pensar em espaços masculinos sempre discretos, também na linha dos padrões japoneses.

Sumatra” em tom champagne. Note que o tecido usado na cama também é o mesmo.

Sumatra” é um movimentado padrão geometrizado que tem na verdade base em um desenho orgânico com tigres e árvores. Reinterpreta um tecido da linha Armani Casa e é inspirado em desenhos tradicionais japoneses. São três tonalidades suaves mas marcantes.

As belas tonalidades de “Towada Fil” que tem um jeito mais têxtil que os demais revestimentos.

Towada Fil” é também inspirado em um bonito padrão japonês com desenhos de proporções micro e macro e também num tecido da linha Armani Casa. São quatro belos tons fortes feitos com fios têxteis delicados resultando num toque quente e suave.

Niagara” em tom de verde fechado.

Finalmente temos “Niagara” que é o ‘Chevron‘ de Armani Casa. Elemento recorrente das coleções de tecidos Armani, bem suaves, é um tanto desconstruído e com uma geometria singular. São quatro boas e discretas tonalidades a serem utilizadas em todos os cantos.

Importante ressaltar que todas as linhas possuem padrões lisos de cada tonalidade, acompanhando cada padrão para compor com sutileza, se necessário, fazendo complemento em corredores, ante salas, lavabos, vestíbulos, etc. Também é notável que praticamente toda a coleção seja bastante masculina e bem discreta, sem grandes arroubos, típico de Armani casa, mas com personalidade. Ninguém usa um revestimento desses sem ter um bom motivo: se começa a pensar pelo valor, mas se termina pensando na qualidade e na sofisticação que um produto deste tipo deixa em um ambiente. Logo se percebe que se trata de luxo, mas também de muito bom gosto e exclusividade.

Related Posts with Thumbnails

Deixe um Comentário